segunda-feira, 14 de março de 2011

Dissertação Arandu renda reko: a vida da escola guarani mbya



Este trabalho busca analisar as visões dos Guarani Mbya sobre a escola na aldeia indígena de Três Palmeiras, situada no município de Aracruz, litoral norte do Espírito Santo. Partimos do pressuposto de que o entendimento da escola na aldeia deve-se a compreensão da cultura Mbya. Além disso, a escola como espaço exógeno à cultura guarani promove conflitos entre dois mundos distintos: a indígena e a da sociedade envolvente. Esses conflitos são marcados pela afirmação da identidade étnica dos Guarani, através do seu modo de ser ou nhandereko. As visões sobre a escola dividem-se basicamente de acordo com as variações dos grupos sociais da sociedade indígena em questão. Para os mais velhos e para as lideranças políticas, a escola deve ensinar os elementos da cultura Mbya. Para os professores, a escola serve para ensinar a cultura nativa e a cultura da sociedade envolvente. Por fim, para os pais e a comunidade, a escola é entendida como um espaço estrangeiro e deve ensinar mecanismos de sobrevivência dos Guarani diante da sociedade não índia, como a leitura e a escrita em língua portuguesa. A pesquisa consistiu em uma abordagem documental e etnográfica durante os anos de 2005 e 2006. Para Geertz, a cultura consiste em uma teia que o próprio homem teceu e para entendê-la é preciso estar atento ao contexto e às interpretações dos diversos grupos sociais envolvidos nesse processo. Essa perspectiva norteou nosso trabalho, pois a compreensão das visões dos Guarani sobre a escola apresenta-se de forma complexa e varia de acordo com os grupos sociais envolvidos.

Palavras-chave: Guarani Mbya- educação indígena-identidade étnica

Disponível em:

http://www.ppge.ufes.br/dissertacoes/2007/KALNA%20MARETO%20TEAO.pdf